Artista em Foco | Marcelo Darghan

Quem assiste o Mais Você na Globo e o Programa Mulheres na TV Gazeta, sabe que o Darghan sempre nos surpreende com ideias criativas e fáceis de fazer. Tanto talento não podia resultar em outra coisa, depois de anos de experiência com o público do artesanato, à um ano deu início a uma nova jornada e Programa Assim Fica Fácil, marca uma nova fase em sua carreira.
 

O tempo voa e no mês de setembro, o apresentador completa 1 ano de programa que somado a outros projetos como canal no YouTube, Facebook e Instagram, Darghan contagia seus fãs com espontaneidade e seu jeito divertido de ver o mundo. Isso também reflete no Assim Fica Fácil que tem o intuito de falar sobre artesanato na TV, mas de forma inusitada e divertida. Talvez seja esse o segredo de em tão poco tempo no ar, o programa ser líder de audiência na TV Rede Século 21.Sou prova de que o programa tem esse jeito leve, onde o apresentador deixa todas as pessoas da equipe e o convidado a vontade, parece que a gente está na sala de casa conversando, tomando um café e fazendo artesanato. Sem muito segredo, pois derrubar, quebrar ou até errar uma parte do passo a passo no ar, faz parte do processo. Isso que é o mais importante, extrair o máximo de informações para quem está assistindo.

“Meu objetivo é tornar o faça você mesmo algo fácil e gostoso de aprender, trazendo técnicas variadas e dando espaço para pessoas novas mostrarem seus trabalhos”. Marcelo Darghan

Com quase 30 anos de carreira, Darghan ministra cursos de artesanato gratuitos em todo o País, atingindo mais de 2 milhões de alunos desde 1989. E se você tiver oportunidade, recomendo que você confira uma dessas aulas ao vivo pois a energia é contagiante e praticamente um “show do artesanato”, fazendo com que você possa fazer artesanato junto com ele sempre com muita alegria e amor.

 No próximo dia 5 de setembro, às 16h30, será transmitido ao vivo o programa de aniversário, com 1h30 de duração. O programa erá um desafio com cinco artesãos de destaque no mercado, atrações musicais e uma plateia com 1000 pessoas. Você não vai perder, né?

SERVIÇO
O QUE: Programa Assim Fica Fácil, de Marcelo Darghan, completa 1 ano
QUANDO: 5 de setembro, às 16h30
ONDE: TV Século 21
Redes sociais:

A arte no papel com Jackie Huang | Artista em foco

Por aqui você sabe, faço pesquisas de variadas técnicas artesanais e o que mais gosto, é que a cada nova busca me deparo com aplicações e materiais que muita gente acha “simples”. Se engana quem acha que é fácil de fazer, muitas vezes passamos mais tempo aprendendo a técnica, errando até chegar na peça final. Falo isso pois estava atrás de um artista inspirador, fazia tempo que não postava nessa categoria e através de um material “relativamente simples” que é o papel, encontrei a Jackie Huang.

Se você gosta de de Disney, de papel e de suspirar, embarque comigo nesse mundo encantado. Jackie é formada pela Escola de Artes Cinematográficas da Universidade do Sul da Califórnia mas logo em seguida voltou a estudar ilustração e diz que foi aí que descobriu a afinidade pelo papel. E define seu trabalho como “tirar fotos” de uma maneira diferente, estagiou em grandes empresas incluindo a Dream Works Animation e Walt Disney Company.

Através dos trabalhos em quilling e os pop-ups, ela trabalha temas variados como animais, princesas Disney e também alguns trabalhos em publicidade. Todos eles com muitos detalhes, segundo seu site, Jackie através de suas peças tem a intenção de encantar a pessoa que receber. A série das Princesas é uma que retrata exatamente o que ela diz sobre encantar:

É muito legal ver o que possível fazer com papel, a séria das Princesas é uma das minhas favoritas mas tem uma outra bem interessante também que eu garimpei e te mostro logo abaixo.

Se você quiser conferir mais sobre o trabalho dela, o site e as redes sociais, vale a visita. Todas as imagens desse post são do site 😉

Facebook: https://www.facebook.com/pg/JackieHuangStudios/photos/?ref=page_internal

Instagram: https://www.instagram.com/JackieHuangStudios/

 Site oficial: http://jackiehuang.com/

Arte no papel por Julene Harrison | Artista em foco

Dessa vez antes de começar a falar sobre o artista, vamos voltar um pouco e conhecer um pouquinho mais sobre o “Papercutting”. Essa técnica consiste em criar um layout única e exclusivamente com papel e estilete ou tesoura, além de um efeito muito bonito pense na delicadeza de trabalhar com o papel sem danifica-lo. Se você ficou curiosa, assista esse vídeo logo abaixo que registra o processo todo, do início ao fim e sem querer dar spoiler mas quando ela retira o papel, é muito legal de ver.

Essa técnica é bem tradicional, aqui no Brasil não ouvimos falar muito sobre ela e até foi meio difícil encontrar mais coisas para o post mas o primeiro registro que se tem é do século 6 lá na China. Destaca-se o formato redondo e bem tradicional de lá e uma das coisas que impressiona é que as primeiras peças encontradas estavam intactas. Interessante, né?

Vale lembrar que tudo é feito a mão e se a gente for comparar com o corte a laser, que está em alta hoje em dia, ele substitui e facilita muito o processo quando falamos de papel, não é mesmo? Mas mesmo assim, o papercut é outra proposta e o fato de ser feito todo a mão o torna mais valioso. Agora voltando a nossa Artista em Foco, Julene Harisson é filha de carpinteiro que sempre a influenciou muito na vida, segundo seu próprio site ela diz que seu pai sempre andava com o lápis atrás da orelha e desde pequena já tinha aulas de desenho e concepção de um objeto.

julene-harrison-olympia-provisions

Se você gostou dessa técnica, vale muito a pena conferir mais das suas ilustrações em papel que variam entre diversos temas como datas comemorativas e layouts para editoriais de revistas.

papercut-typeography-julene-harrison papercut-illustration-wedding-portrait papercut-marry-me-proposal

O que mais me impressionou é o preciosismo nos detalhes e falando em detalhes, tem MUITO pedacinho de papel para ser cortado e criar efeitos de sombra. Encontrei essa imagem no Instagram dela e dá para entender a complexidade do assunto, se sua ferramenta estiver bem afiada e você sem querer cortar um pouquinho a mais, o desenho muda. Tem quer ter muita dedicação e paciência, né? Para conferir mais sobre ela acesse o site e o instagram clicando aqui e aqui, te garanto que sua dose de inspiração ficará completa!

processo

Mais uma ilustração que vale a pena ser compartilhada:

papercut-first-anniversary-wood

Depois me conta o que você achou aqui nos comentários e até o próximo Artista em Foco. Me ajudaram a escrever esse post: Site Julene Harisson, Instagram Julene Harisson, Wikpedia, Blog Douglas Braga

Dicas para começar a bordar | Artistas em Foco Especial

Essa semana a gente comemora uma data super especial! Dia 30 de julho, é o Dia Mundial do Bordado e esse post é para você se animar, separar a linha e agulha para bordar alguma peça. Por isso, separei algumas dicas com “Artistas” que eu tenho certeza que você curtir. Mas antes disso, vamos começar:

bordado aprender livre ponto cruz como bordar
Arte: Bruna Abecia
bordado materiais bastidor tesoura linha agulha tecido
Foto: Blog Sublimestitching

Separei alguns materiais para quem quer começar, o bordado é uma técnica bem tradicional e a cada ano que passa, vem ganhando novas leituras. Para começar a bordar e fazer seu próprio projetinho, você vai precisar de:
Bastidor: Atualmente tem várias opções no mercado (madeira ou plástico).
Agulhas de bordado: Geralmente com a ponta redonda, facilita o trabalho e existem várias opções, os pacotinhos vem com várias unidades e com o preço super acessível. Você pode bordar com alguma casa também, mas com cuidado pois ela vai ter a ponta mais afiadinha. #ficaadica
Meadas de linha para bordado: Também disponível em várias marcas e cores, tenho a impressão que a meada rende mais que aquele rolinho pois você usa apenas alguns dos dos fios e não os 6 que formam o fio inteiro.
Tesoura para arremate: Sabe aquela douradinha? Sim! As tesouras com pontas bem fininhas são ótimas e ideais para bordar justamente por isso.
Tecido: Ele será a base para o seu projeto e dependendo do trabalho, existem algumas especificações como por exemplo, o etamine que é aquele que tem o furinhos bem aparentes são perfeitos para o ponto cruz, já o algodão é indicado para o bordado livre mas independente  das sugestões, você pode testar qual preferir.
Desenho no tecido: caso você comece a bordar pela técnica do Bordado Livre, você vai ter que passar o seu desenho para o tecido antes de começar, para isso existem algumas técnicas super bacanas para você tentar e lembre-se: isso não é regra, cada um encontra a melhor maneira de transferir os desenhos, vamos dizer que é bem “pessoal e intransferível”.
Você pode usar canetas ou o carbono, que ajudam nessa hora. O carbono recomenda-se usar o de cor amarela pois o azul pode borrar ou manchar o tecido. Já as canetas apagáveis ou fantasminhas, saem com o ferro depois de você finalizar seu bordado. Tem também a caneta que sai com água (a tinta dela é azul clara) ou uma outra que sai com o ar, que é recomendada apenas se você for bordar na hora e se seu desenho é bem pequeno já que ela some rápido. Caso você já tenha prática, pode desenhar diretamente no tecido ou por último, você pode passar o desenho no papel vegetal, no verso contorna-lo com lápis HB e transferi-lo. Igual a gente fazia no colégio, sabe? E por último e não menos importante, você pode transferir em uma mesa de luz (foto abaixo), calma que se você tem uma mesa de vidro em casa pode improvisar colocando um abajur embaixo. Prenda com fita adesiva o tecido em cima do risco, vire e coloque sobre a mesa de luz fazendo a marcação com lápis HB.

Agora que você já sabe os materiais necessários e já escolheu o seu tecido, conversei com uma galera que borda a algum tempo e pedi dicas para quem quer começar. Aproveito para agradecer a todas elas que toparam participar e eu tenho certeza que você AMAR as dicas:

Dica 1:

“Seja livre! Você pode bordar sem desenho por exemplo, mas não apenas nesse sentido, as pessoas ficam um pouco intimidadas com o bordado livre ou com os trabalhos manuais por acharem que não vai sair perfeito. Não tenha receio, com a prática todo mundo melhora e vai pegando o jeito da coisa.” Maria Rita, Cantora e Bordadeira por amor.

13835638_10209712732392601_1562150446_o

Dica 2:

“Minha dica para quem está começando, é para passar o risco para tecidos escuros: use carbono para tecido branco ou a novidade é a caneta para tecido branca que sai com o calor.” Andressa Ferraz, estilista e bordadeira.

13838507_10209712733032617_550806496_o

Dica 3: 

“Não tenha medo do tecido “em branco”. Se faltar inspiração para desenhar, comece com um trecho de música que gosta, o nome de alguém querido ou figuras simples, como flores ou formas geométricas. O importante é se divertir enquanto testa pontos, texturas, cores, linhas e acabamentos, até descobrir as técnicas que você mais gosta de usar. Eu mesma já usei essa desculpa de não ter nenhum desenho pronto para bordar. Resolvi o bloqueio bordando uma frase pequena, no bolso de uma camiseta, escrita à mão. Foi mais fácil do que eu imaginava, indolor e ainda algo com significado para mim”. Amanda Zacarkim, Jornalista e Sócia-bordadeira do Clube do Bordado.

13840497_10209713520332299_457051699_o

Dica 4:

“O ponto-cruz é uma das técnicas mais simples do bordado e ideal para quem quer começar a se aventurar neste universo. Eu aprendi aos 12 anos, em um curso na paróquia da cidade onde cresci – eu adorava bordar toalhinhas de mão e convites de Natal! Embora ele não seja tão livre, já que a estética quadriculada nos limita a criar qualquer desenho sem um mínimo de simetria, eu adoro adaptar os gráficos que pego na internet. É o caso dessa rapozinha. Vi um desenho autoral pequeno na internet, e dupliquei o tamanho dobrando o número de linhas. Mas para quem está no começo, os desenhos geométricos são os mais fáceis.” Marcela Rodrigues, é Jornalista e Bordadeira de coração.
13843502_10209713171163570_825900833_o
Dica 5:

“Para o fio de meada correr melhor no tecido, o ideal é quando separar a quantidade de fio a ser usado (geralmente usamos dois fios para a linha de bordado sair com a espessura fina, e três para a linha sair com espessura média no tecido), separar um dos fios, inverter e juntar novamente com os outros. Isso impede que a linha fique enrolada ou torta no tecido, deixando assim o bordado mais bonito.”  Sarah Lopes, Design Têxtil e Professora de Bordado.

13835505_10209712732792611_955185643_o

Dica 6: Wagnner Reis | FALTA TEXTO

“Olha, a minha dica de incentivo pra quem está começando é começar. Depois dessa decisão tudo vai acontecer. Outra coisa, é ela não se preocupar com os erros que vão acontecer, isso é normal. Ela sempre vai errar e aprender com esses erros. Não pense em fazer nada com perfeição, pois se a pessoa pensar em fazer tudo perfeito, ela vai se frustrar. Então, tem que ter paciência, até que ela desenvolva a própria maneira de trabalhar e criar as coisas…” Wagnner Reis, Artesão e Professor de Artesanato.
13839860_10209712732712609_426221967_o

Dica 7:

O bordado é uma técnica que tudo o que ele tem de bonito, tem também de simples e de possibilidades de criação, de resultados lindos. Até mesmo para quem está começando, vale soltar a imaginação com os desenhos e linhas e deixar fluir.” Zilah Rodrigues, Comunicadora e Artesã.

13836018_10209712732912614_1641608585_o

Viu quantas sugestões para você? Não se esqueça que ao fazer qualquer trabalho manual, uma hora ou outra, nós vamos passar por frustração e sabendo disso, não desista. É super normal querer jogar tudo para o alto, mas depois de pensar bem, desmanchar, tentar e tentar de novo, tenho certeza que você vai criar coisas incríveis. Errar faz parte!

Errar faz parte!
Foto: Blog Sublimestitching

Até o próximo post e Feliz Dia Mundial do Bordado!

Anne Galante e Tricô GIGANTE | Artista em Foco

tricô gigante tricot big wool lã enorme

Com a chegada do Inverno, técnicas feitas com lãs e linhas ganham destaque na mídia afinal, se manter quentinho é regra para não passar frio. Mas só o tricô e o crochê não bastam, se você nunca viu, te apresento algumas versões dessas duas técnicas em tamanhos bem diferente. Ficou na dúvida se aquela sua agulha nº6 era grande demais? Calma que você ainda não viu nada, para dar esse efeito ENORME no crochê e tricô, as agulhas de nº 10 ficam pequenas, quer ver só?

TRicô gigante tricot wool giant
Foto: Ohhio

Quando falamos em tricô gigante, os números se tornam pequenos para tamanha grandeza, viu? São agulhas a partir do nº 35 que com novelos de lã natural merino que dão esse efeito gigante. Para saber um pouco mais sobre o processo de produção, conversei com a Anne Galante da marca Srta. Galante, que é designer e artista plástica, trabalha com esse conceito e cria peças gigantes.

agulhas tricot tricô knit yarn big gigante
Anne e suas agulhas gigantes.

Confira na integra o papo que tive com a Anne Galante:

Bruna Abecia: O que te levou a criar peças e a buscar por essas técnicas na versão gigante?
Anne Galante: Eu tenho mania de gigantismo, sempre penso nas coisas maxi. Risos. Quando apareceu uma oportunidade de fazer um toldo gigante de 300kg de corda náutica para a Mostra Black, foi o momento que fui atrás da construção das minhas agulhas novas de tricot gigante, a partir dai, nunca mais parei. No dia 31 de Julho terá uma performance minha no SESC Pompeia para todo mundo ver como funciona, e o pessoal vai poder ficar deitado no tricot gigante enquanto eu tricoto!

 Bruna Abecia: É possível replicar para vestuário ou apenas para peças de decoração?
Anne Galante: Tudo é possível, é só querer! O mais usual é para decor, mas eu adoro golas e gorros maxi por exemplo.

Bruna Abecia: Na internet encontramos muitas referências de fora do Brasil, tenho a impressão de que os materiais são mais difíceis de ser encontrados por aqui. Verdade ou mito?
Anne Galante: Na verdade não é porque é difícil de achar e sim porque é um material muito nobre e caro para comprar por aqui. A maioria das pessoas que fazem posts de ‘giant knit’ usam lã merino, uma lã de muita qualidade e maciez, e por ser super natural ela tem um valor agregado que não é tão acessível para todos. Até porque até a lã acrílica hoje em dia não está barata né?

Bruna Abecia: Em comparação a uma peça no tamanho “tradicional”, em média qual o tempo de produção de alguma peça para decoração por exemplo?
Anne Galante: É muito mais rápido para fazer se você tiver praticando, porque a técnica é diferente, não é igualzinho o tricot tradicional, um ponto do gigante é muitas vezes maior que o comum.

Bruna Abecia: Qual das peças você mais gostou de fazer?
Anne Galante: Se eu falar que gosto de fazer todas vai parecer estranho? Eu acho que cada vez que inventamos uma peça nova, a gente sai da rotina e aprende sempre mais e mais, então gosto de todas, porque em todas eu dediquei meu tempo, minha atenção e meu amor, e em troca elas me deram novos rumos, novas idéias e novas formas.

Aposto que depois de ler um pouco mais sobre a Anne você ficou com vontade de tentar, como ela disse “é só querer” e para te incentivar ainda mais, separei mais algumas imagens. O efeito que cria é bem diferente, chama atenção e se destacam no ambiente. Vale lembrar que também é possível fazer com corda, tecidos de malha ou lycra além é claro, da lã merino.

tricot tricô gigiante big knit corda decor
Foto: divulgação
tricot tricô gigiante big knit corda decor
Foto: Divulgação

Outros exemplos:

manta2 manta gigante tricô tricot knit giant
Foto: Ohhio
giant-super-chunky-wool-knitwear-blankets-anna-mo-7 manta2 manta gigante tricô tricot knit giant
Foto: Anna Mo
giant-super-chunky-wool-knitwear-blankets-anna-mo-13 manta2 manta gigante tricô tricot knit giant
Foto: Anna Mo

Fontes:
Srta. Galante (Anne Galante) – http://www.senoritagalante.com
Ohhio – https://www.etsy.com/pt/listing/289201249/grande-punto-super-chunky-smallmedium?ref=shop_home_active_31
A
nna Mo Look – http://www.boredpanda.com/giant-chunky-knits-anna-mo/
Little Dandelion – http://littledandelion.squarespace.com/gallery/

Ju Amora | Artista em foco

E ai, tudo bem? Essa semana recebi um convite super delicado, cheio de carinho e que convidava para um evento, e para fazer uma pequena pausa de 5 minutinhos e desfrutar de coisas fofas que tinham nele. To falando do convite da Artista Ju Amora que admiro, conheço a um tempinho(ão!) e que me fez parar para pensar em como ela não esteve por aqui antes (fazia total sentido), mas sem problemas que o destino se encarregou disso hoje! 😉

_DSC9138

Ju é daquelas típicas pessoas sonhadoras que buscavam um “real” sentido para a vida e encontrou, ela é atriz formada mas diz que sempre teve uma inquietação que não deixava quieta e que com tamanha agitação, resolveu fazer uma mudança na sua vida. Saiu do emprego, retornou ao teatro mas foi uma viagem a Europa que fez toda a diferença.

Foi lá que ela sentiu que começava uma mudança, o engraçado é do local que veio o estalo, no cemitério. No seu site ela conta:

“E em uma visita ao Pére-lachaise, um cemitério em Paris onde estão enterrados grandes artistas, passando entre os túmulos algo me chamou a atenção. Um cartão com uma pedra em cima, me aproximei e era o túmulo do pintor italiano Amedeo Modigliani. No cartão, havia uma de suas obras e uma frase escrita: “Seu real dever é salvar o seu sonho”.

Depois disso quando retornou para SP chegou em sua casa, ficou pensando em uma peça que pudesse produzir e que fosse útil para o dia a dia, pensou nos banquetas personalizados e desde então produz suas peças coloridas. São vários temas distribuídos entre Frida, Amor, Xô Uruca e é isso que deixa o seu trabalho ainda mais especial, a diversidade e a explosão de cores todas feitas a mão. Se você quiser saber mais, passa lá no www.juamora.com.br.

_DSC8992

E se você quiser conferir de perto e levar uma banqueta para você, nesse sábado a loja dela abre e você pode dar uma passadinha lá! Um misto de ateliê, casa, e loja. O espaço é localizado em uma casinha charmosa no bairro de Perdizes.

Inauguração acontece no dia 21 de Maio – Das 14h as 18h
Endereço: Rua Minerva, 90 Perdizes São Paulo

 

 

Espedito Seleiro – Artista em Foco

O artesanato brasileiro é um orgulho para todos nós, existem milhares de técnicas e artesões incríveis que fazem aquelas mais clássicas como renda, cerâmica, trançado e cestaria entre outros. Hoje o Artista em Foco te apresenta o Espedito Santo, com “S” mesmo não escrevi errado não, e se você gosta da nossa cultura e do Ceara, vai se encantar com o trabalho dele.

Exposição-e-Mostra-serão-realiadas-hoje-no-shoping-com-o-trabalho-de-Espedito-Seleiro-foto-de-Augusto-Pessoa
Em seu ateliê – Foto Augusto Pessoa

Mestre Espedito Seleiro, ficou conhecido por desde pequeno ajudar seu Pai no trabalho com couro, foi ele que fez as famosas sandálias do Cangaceiro Lampião que tinham como característica o solado quadrado para confundir os policiais. Por ser quadrada, não deixava a direção certa na qual caminho o grupo havia seguido.

Uma das características e o diferencial do Espedito fica por conta do colorido e formas usados em suas peças que sempre foram muito parecidas, ele inovou no tingimento do couro.

Espedito Seleiro
Isso foi destaque, a partir dos anos 80 ele ampliou sua variedade de produtos justamente pois o mercado das peças tradicionais enfraqueceu, acabou aproveitando uma oportunidade, inovou e passou a produzir sapatos e bolsas.

Espedito-Seleiro-e-sua-arte-em-couro-Norteando-Você

sapato
bolsa-de-espedito-seleiro
A partir daí foi só sucesso, hoje é considerado uma referência no trabalho com couro e ganhou o Brasil com suas peças coloridas e artesanais. Ele já fez parceria com os Irmãos Campana, suas peças estiveram presentes em desfile da Cavaleira, assinou o figurino do filme “O homem que desafiou o Diabo” e atualmente é possível ver algumas peças na novela Velho Chico em horário nobre. Para saber mais sobre o Espedito, confira o Facebook Cosethical clicando aqui.

Fontes de imagens e conteúdo: Facebook Closethical e site Norteando Você.

 

Artesão em foco

Essa semana o Artista em Foco é dedicado aos Artesãos e Artesãs desse Brasil!
giphy

Dia 19 de Março é dia de São José e é comemorado o Dia do Artesão, aquela pessoa que simplesmente ama fazer trabalhos manuais mas sabe que a vida nem sempre é tão fácil assim. Toda a artesã passa por alguns dilemas engraçados e é por isso, que resolvi compartilhar alguns deles com você:

Chegando no armarinho: aquela sensação única de encontrar tudo o que você mais gosta na vida em um único lugar, separado por setor, cores e tudo ali disponível para você!

saylor moon

Lista de compras: você decide fazer artesanato, calcula todas as quantidades, cores e detalhes. Mas quando entra naquele “mundo encantado”, fica perdido, acaba escolhendo coisas que não devia e quando chega em casa descobre que não comprou nada do que precisava.

Afinal, material novo nunca é demais. Não é mesmo?                                        Material novo, nunca é demais. Não é mesmo?

Fica tanto tempo no Pinterest (impossível Pinar uma vez só!) que perde a hora e fica com a sensação de que fez muito artesanato apenas clicando no mouse.

computer

Técnica nova: encontra algum projeto na internet, fica super empolgada e como já faz artesanato, acha que vai ser super fácil de fazer. Só que lembra que nem todas as técnicas são iguais e fica hooooooras treinando com os tutoriais do YouTube.

trico

As vezes fica chateada e até mesmo frustrada quando um artesanato não dá certo…

realidade

AMA encontros em parques e locais públicos. Tem coisa melhor do que fazer artesanato junto de várias pessoas e conhecer todo mundo que está no grupo do Facebook ao vivo e a cores.

giphy (1)
Começa a ficar “um pouquinho” viciada, customizando tudo o que vê pela frente:

mesa de xita

Quando pega o jeito e uma técnica fica se achando a melhor do mundo! #quemnunca

crochê

E sabe…

Eu-amo-ser-artesã-porque

Espero que você tenha esses mesmos sintomas que eu. Risos. Alerta de viciada em artesanato! Essa foi uma maneira mais divertida de comemorar junto com você o nosso dia. Feliz Dia do Artesão!

heart

Joãosinho Trinta – Artista em foco

Ao conhecer um pouco mais sobre um dos grandes ícones do Carnaval brasileiro, fiquei pensando em como esse post do Artista em Foco seria pequeno para Joãosinho Trinta. Sua obra é memorável e com certeza, ele coloriu a história da cultura brasileira com seus pensamentos, ideias e preciosismos em cada desfile.

A sociedade tem uma mania de rotular as pessoas, seus cargos e ele provou que a formação acadêmica vai muito além das faculdades e cursos. Joãosinho é da escola da vida, inspirações a parte, foi um garoto que sempre teve fome de conhecimento misturado com criatividade e ainda em Maranhão devorava os livros da biblioteca tentando “entender” o significado das palavras, como ele mesmo dizia.

“O cérebro humano, dizem os cientistas, é dividido entre o lado esquerdo e o direto. O lado esquerdo é o lado dedutivo, o lado que só entende e absorve as coisas através do racional, enquanto o lado direito é o lado da intuição. Sinto que o processo da criação se faz com o equilíbrio tanto do lado esquerdo quanto do lado direito, é preciso ter muita informação e trabalhar com a visão holística do lado direito para conseguir um resultado que seja um impacto, que seja o inusitado e que seja alguma coisa diferente, por que o carnaval é o exercício de criatividade. Cada Carnaval nos obriga a um ato de criação.”

O que mais me chama a atenção o quanto ele foi ousado para sua época, veio do Maranhão para o Rio de Janeiro sonhando em ser bailarino do Teatro Municipal, era famoso por sua personalidade forte e considerado um grande contador de histórias, em todas suas entrevistas citava que era fruto de “uma trepada de carnaval” e que entendia os sentimentos que passaram na cabeça de sua Mãe ao descobrir que estava grávida. Por esse motivo afirma ser um filho legitimo dessa festa e que sua formação foi feliz.

Sua história com no Carnaval começa na Salgueiro, após produzir vários cenários no Teatro Municipal, ao lado de Fernando Pamplona e Arlindo Rodrigues, e se destacava ao trabalhar com sobras de outras óperas criando novos e diferentes espetáculos. Na época quem fazia as alegorias das escolas de samba, eram os professores da Escola de Artes mantendo figuras mais clássicas e “duras”, após a entrada do Arlindo e Joãosinho no anos 70 a estética mudou, considerada uma revolução.

“O Brasil poderia realizar a revolução da alegria, a minha intuição sempre me disse que depois da energia elétrica, da energia atômica, que uma terceira energia chamada alegria poderia realizar grandes eventos.”

joãosinho

Passou pela Salgueiro, Beija-Flor, Nilópolis, Viradouro e Grande Rio, consagrando nas primeiras escolas seu estilo luxuoso nas alegorias, foi criticado por conta disso e no ano de 1979, marcou com a seguinte declaração: “O povo gosta de luxo, quem gosta de miséria é intelectual”. Sempre ousado, após uma década decidiu levar lixo e um Cristo Redentor em versão mendigo para Sapucaí, a Arquidiocese do Rio descobriu antes do desfile e entrou com uma petição proibindo assim a alegoria de desfilar.

Grandes críticos afirmam que mais uma vez ele se reinventou, no ano de 1989, levando o Cristo coberto de sacos plásticos e com uma faixa que dizendo: “Mesmo proibido olhai por nós”.

beija-flor-cristo-1989-original

Em 2001 foi pela Grande Rio onde mais uma vez  surpreendeu o público com um homem voador no meio do desfile no ano de 2001. Trabalhou até 2011 no Maranhão em projetos da Secretaria de Cultura do Estado para a comemoração do aniversário de São Luís no próximo, morreu no mesmo ano deixando sua história e uma imensa contribuição cultural para o nosso país.


Fontes
Foto 1: Blog Ala das Baianas
Foto 2: Arquivo Joãosinho Trinta em 2003.
Foto 3: Portal G1
Foto Capa: Portal Revista Caras
História: Documentário – A raça síntese de Joãosinho Trinta
Acervo: Jornal O Globo; 30 histórias curiosas de Joãosinho Trinta.
Morte: Portal G1

Vik Muniz – Artista em Foco

O Artista em Foco dessa semana é o paulistano que faz muito sucesso fora do Brasil e para minha surpresa, publicitário de formação, Vik Muniz tem como característica usar materiais fora do comum para compor suas obras. No início da carreira, dedicou-se a escultura mas na sequência seguiu para a fotografia registrando suas reproduções diferentes, que eram compostas por açúcar, poeira, lixo e até chocolate.

vik obra
Vik Muniz considera o trabalho “As crianças de Açúcar” o trabalho mais importante de sua carreira e que as obras o levaram para reconhecimento, após conhecer as crianças na ilha Caribenha St.Kitts, ele percebeu que a alegria que elas tinham não pertenciam mais aos pais que trabalhavam muito nos canaviais da região. Ele quis mostrar que o lado doce da infância não cresce com os adultos e ao voltar para Nova York, com o próprio açúcar fez os retratos de cada uma das crianças que conheceu.

1216x912x2

Outro trabalho que marcou bastante o nosso país foi o “Lixo extraordinário” que virou documentário e concorreu ao Oscar em 2011, você pode conferir no YouTube clicando aqui, ele mostra toda a concepção e o processo criativo da obra. Desde a ideia, escolha do lugar, envolvimento com a comunidade e claro, o resultado que é muito encantador.

doc-_-lixo-extraordinc3a1rio-_-marat-sebastiao-waste-land-high-credito-camila-girardelli-802x1024

O mais intrigante nas suas obras, é que são usados elementos e objetos cotidianos, a capa do cd dos Tribalistas é um exemplo disso. A série “Chocolate líquido” também é um de seus trabalhos de sucesso, que recria obras importantes e foram feitas com conta-gotas. Interessante, né? E depois de fotografadas elas são destruídas.

vik_tribalistas
Curtiu? Me conta aqui nos comentários de você já conhecia o Vik Muniz, eu acredito que sim e fico muito feliz do Brasil ter artistas assim, que levam o DNA daqui para o mundo.

Beijos!

 

Fontes:

Vik Muniz – http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9203/vik-muniz
Foto Vik Muniz capa – http://www.elledecor.com/design-decorate/trends/g2434/what-vik-muniz-cant-live-without/?slide=1
Foto Vik Muniz Perfil – http://illusion.scene360.com/art/72869/vik-muniz-collage/

Foto exposição “As crianças de Açucar” – http://www.lomography.com.br/magazine/143869-vik-muniz-exposio-em-lisboa
Foto Lixo Extraordinário – http://www.gluckproject.com.br/o-homem-que-transformou-lixo-e-a-vida-dos-catadores-em-arte/